Gestão e Responsabilidade socioambiental

Por que é preciso falar de outras economias possíveis no Dia do Meio Ambiente?

Publicado em: 5 de junho de 2022

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Por: Engaje! Assessoria de Imprensa

A Mercur transformou resíduos em insumo para a produção de uma Bolsa Térmica Natural, possibilitando que o descarte volte a servir como nutriente de um novo ciclo.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) quatro indicadores da mudança climática – as concentrações de gases de efeito estufa, a elevação do nível do mar, o aquecimento e a acidificação oceânica – bateram recordes em 2021, mostrando que a humanidade caminha em direção a uma catástrofe em função do sistema energético. Além disso, o modelo econômico atual é baseado na extração, produção e descarte, conhecido como Economia Linear, gerando mais de 2 milhões de toneladas de resíduos a cada ano. Diante de um cenário com tantos impactos ambientais, poluição contínua, mudança climática e aquecimento global, é necessária uma ruptura deste ciclo para adotar uma postura que preserve o meio ambiente.

O mês de junho é marcado pelo Dia Mundial do Meio Ambiente, em 05 de junho, e ganha relevância diante de um cenário com tantos problemas ambientais, no qual as pessoas e organizações precisam refletir sobre os valores e práticas cotidianas.

“Conservação do meio ambiente e desenvolvimento econômico podem andar juntos sim, desde que a gente compreenda de qual desenvolvimento econômico estamos falando. Ele precisa sempre levar em consideração todo o movimento socioambiental que existe no País inteiro, não só na Amazônia” afirma Jorge Hoelzel Neto, Facilitador da Mercur.  

A Mercur tem adotado um modelo de negócios que oferece soluções que impulsionam o potencial humano e regeram o planeta. Nesse sentido, a empresa tem, a partir da cocriação, desenvolvido produtos e serviços que buscam minimizar o impacto humano no meio ambiente, como é a Bolsa Térmica Natural.  São duas as principais matérias-primas utilizadas neste processo: o caroço de açaí da palmeira juçara e o algodão reciclado e reciclável.  

O caroço é cultivado através do manejo agroecológico. O insumo representa aproximadamente 70% do fruto, descartado após a despolpa. Agora, corresponde a mais uma fonte de renda para as famílias de produtores que auxiliam na preservação dos biomas em que estão inseridos. O processo realizado entre os produtores e a Mercur priorizam o menor impacto ambiental possível, cultivam relações de produção sem exploração humana ou animal e são pautados pelo comércio justo e solidário. 

O algodão é reciclado a partir de aparas de resíduos têxteis diversos, inclusive as sobras de algodão dos processos fabris de outros produtos da Mercur. Por se tratar de um tecido reciclado é possível reduzir os impactos ambientais negativos gerados pela produção de algodão convencional e pelo descarte inadequado de tecidos.  

Esse modo de produzir em diálogo com pessoas, organizações e culturas possibilita outras economias, como a circular e a solidária. A economia circular ao transformar os resíduos em insumos, em novas matérias-primas, de forma restaurativa e regenerativa ao planeta. A economia solidária na construção de outros modos de negociar de forma justa e relacionar-se com os produtores agroecológicos, com foco na vida sustentável e numa relação de consumo e produção consciente e socioambiental.

A Bolsa Térmica Natural materializa o posicionamento da empresa ao viabilizar o consumo responsável e com o menor impacto negativo humano, social e ambiental possível. Todos esses fatores, demonstram que falar em desenvolvimento econômico, amparados em pilares como a responsabilidade social e ambiental podem fazer parte dos processos das organizações não só no mês do Meio Ambiente, mas em todos os processos cotidianos.

Gostou desta publicação?
Compartilhe com seus amigos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine nossa
newsletter