Educação

Cocriar um mundo melhor: como trabalhar em conjunto com a escola e ser um agente ativo na educação do seu filho

Publicado em: 7 de janeiro de 2022

Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Por: Paes.digital

Você quer contribuir no processo educativo do seu filho e não sabe por onde começar? É sobre isso que falamos no blog de hoje! Continue a leitura e entenda como participar de forma ativa na educação dos pequenos.

A família tem um papel fundamental na construção do caráter e da personalidade de um indivíduo. É de lá que as crianças têm o primeiro contato com o outro. 

Através da convivência em casa é que eles começam a desenvolver noções de afeto, solidariedade e extrair princípios e valores éticos.

Nessa missão, a escola também tem destaque. Ela é responsável por proporcionar conhecimentos e permitir a convivência em coletividade, estimulando o respeito ao outro.

Essas duas instituições são os pilares da sociedade. Por isso, é fundamental que elas trabalhem em conjunto.

Para a pedagoga colaboradora da Mercur, Márcia Murillo, ser ativo é também ser atento, participativo, envolvido e interessado pelo crescimento integral de seu filho. 

“Através da educação, é a possibilidade que os adultos têm de renovar o mundo. É acreditar que o mundo pode ser transformado a cada novo nascimento. E somente por isso, não é tarefa que acontece ao acaso, sem preparação, ou reflexão constante de nossas práticas com as crianças”.

Por isso, os adultos devem estar atentos à relação que desenvolvem com os pequenos e a escola. 

 

O papel dos pais na escola

O apoio da família na escola é fundamental para motivar as crianças e é essencial para o bom desempenho do processo educativo como um todo.

E fazer isso, não é tão difícil. Por meio de algumas pequenas intervenções, é possível gerar grandes mudanças no comportamento e aprendizado dos pequenos. 

De acordo com Márcia, os pais devem primeiro ter claro o que esperam da educação dos filhos. Ela enumera alguns pontos que podem ajudar nessa tarefa.

  • “Escolher os espaços educativos que a criança irá frequentar’ que se aproximem de suas ideias e convicções de educação. 

  • Aproximar-se da escola, buscar entender como a escola entende a aprendizagem das crianças. 

  • Colocar-se num lugar de parceiros da escola, como força que potencializa o que já está em curso, acontecendo com as crianças. Ser parte que agrega a educação das crianças, como se todos estivessem olhando e caminhando para alcançar um objetivo comum: o desenvolvimento pleno das crianças. 

  • Circular por grupos de outros pais e trocar ideias, sugestões e partilhar das dificuldades encontradas diariamente. Encontrar pares sempre é uma possibilidade de se encontrar novas alternativas para enfrentar situações diversas”. 

Márcia fala também da importância de transformar os espaços de encontro com as crianças em um local que potencialize os momentos. “Não dar respostas rápidas e óbvias, provocá-las a pensar, encontrar em si, respostas possíveis para as suas próprias perguntas, brincadeiras que incentivem as descobertas do que a criança deseja descobrir”. 

A pedagoga esclarece que quando se trata de educação, seja de uma criança, ou de qualquer processo formativo, não existe a melhor forma, ou a mais correta. “Não há mágica, nem receita, é necessário dedicação e envolvimento”. 

Mas estar atento para perceber o que os pequenos gostam e o que não faz bem para eles pode ajudar. “Os adultos precisam desenvolver virtudes fundamentais: empatia de tentar colocar-se no lugar daquela criança, comprometimento e responsabilidade”.

 

Veja a seguir, algumas sugestões que podem contribuir no processo de desenvolvimento das crianças, agindo em conjunto com a escola. 

 

1. Aposte em atividades que estimulem o raciocínio e a concentração

É possível fazer perguntas para crianças e incentivá-las a adivinhar as respostas. Por exemplo, o que acontece se a comida ficar muito tempo fora da geladeira?

Uma pergunta como essa faz com que o seu filho imagine situações que possam ocorrer com o alimento e contribui para que ele obtenha mais conhecimento. 

Estimular a concentração, é importante para que as crianças mantenham o foco nas atividades e é bastante positivo para que  elas não percam com facilidade, a atenção em sala de aula.

 

2. Brinque ao ar livre

Mesmo com muitos desenhos educativos, deixar a criança o dia inteiro em frente à televisão não é o melhor caminho para educá-la. Por isso, vale a pena dedicar um tempo para as brincadeiras ao ar livre.

Convide os amiguinhos da escola, parentes e colegas do condomínio para brincar em áreas de lazer nas cidades. Queimada, pique-esconde, futebol, corrida e andar de bicicleta são algumas das atividades que socializam as crianças e aprimoram a coordenação motora.

Estar em contato com outras pessoas estimula o desenvolvimento cognitivo infantil, pois as crianças podem aprender novas atividades não apenas com os adultos, mas também com os colegas.

 

3. Incentive a prática da leitura

Para despertar a imaginação, ler livros junto com os filhos é uma ótima iniciativa. 

Após a conclusão de um trecho do livro, pergunte o que a criança achou do conteúdo. Assim, você constata a capacidade que ela tem de interpretar os acontecimentos da narrativa.

Outra prática positiva é os pais e os filhos tentarem criar uma nova história com base em situações apresentadas em obras literárias ou revistas de quadrinhos. Essa é uma maneira de estimular a criatividade.

 

4. Pratique o alfabeto com a criança

Aposte nas músicas com legenda para mostrar às crianças como são pronunciadas e escritas as palavras.

É válido mostrar o vídeo várias vezes para facilitar o aprendizado. Mas se a criança não estiver mais prestando atenção na tela, é sinal de que está na hora de escolher outra opção para entretê-la.

 

5. Priorize o uso consciente da tecnologia

Mais importante do que disponibilizar recursos tecnológicos para incentivar as crianças a obter conhecimento é fazer com que o uso de computadores e dispositivos móveis seja feito com equilíbrio.

Por mais que seja enriquecedor o uso de aplicativos de cunho educacional, deixar o filho muito tempo por conta dessa atividade pode causar problemas. Um deles é a dificuldade de interagir com outras crianças e com os próprios familiares.

Mas com um pouco de planejamento é possível obter bons resultados nas ações com foco no desenvolvimento cognitivo infantil. 

E assim, pais e escolas podem trabalhar em parceria para formar cidadãos criativos, sociáveis e com senso crítico.

Gostou desta publicação?
Compartilhe com seus amigos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine nossa
newsletter