Responsabilidade socioambiental e Educação

Como é feita uma borracha natural?

Publicado em: 15 de março de 2022

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Por: Paes.digital

As borrachas naturais são feitas através do “látex”, que é extraído das seringueiras. Neste texto, vamos explicar como transformamos esse material na borracha de apagar que chega à sua casa.

Na fabricação de uma borracha de apagar, podem ser usados diversos materiais. Mas aqui na Mercur priorizamos o desenvolvimento de itens que carreguem nosso propósito.

Por isso, para a produção das nossas borrachas naturais utilizamos o látex extraído das árvores seringueiras, que se regeneram na natureza.

A matéria-prima, que é líquida em seu estado original, chega na Mercur em formato de blocos e mantas.

Parte dela é adquirida de plantações no estado de São Paulo e outra parte vem de comunidades extrativistas de duas áreas protegidas: a Reserva Extrativista Rio Iriri e a Terra Indígena Xipaya, localizadas no município de Altamira – no estado do Pará.

Como é a produção da borracha de apagar natural?

“O processo de produção de uma borracha de apagar natural assemelha-se muito à produção de um bolo”, explica o colaborador da Mercur, Mateus da Silva Szarblewski.

Na receita, desenvolvida pelos químicos da empresa, o primeiro passo é pesar as matérias-primas de acordo com o produto a ser fabricado. 

Depois disso, ela passa por uma espécie de batedeira gigante, que na indústria da borracha é chamada de Banbury ou misturador interno. Lá, a borracha natural é misturada com os outros ingredientes para formar uma “massa” homogênea e flexível, similar a uma massa de modelar.

Nessa etapa, a massa de borracha pode ser facilmente moldada, dando o formato desejado para o produto.

Depois de ser moldada, ela passa pela etapa de vulcanização, na qual a mistura de borracha é colocada em prensas que trabalham a altas temperaturas e pressão.

“Lembra da nossa comparação com o bolo? Então, é como se nessa etapa a borracha estivesse sendo assada, só que não em um forno”, completa Mateus.

Depois da vulcanização, a borracha de apagar já se parece muito com a que conhecemos e já possui a capacidade de apagar traços de lápis.

Para ficar pronta, ela ainda pode passar por etapas como corte, polimento, carimbação e, por fim, colocada na embalagem.

Qual a diferença para as outras borrachas?

A borracha natural, como explicamos, é feita do látex, líquido espesso e branco extraído da seringueira. Já as sintéticas são feitas a partir de derivados do petróleo, obtidos por meio de processo industrial.

Além disso, as borrachas de apagar naturais foram os primeiros modelos criados.

Na aparência, as duas são bem semelhantes, mas na prática, como falamos acima, elas não são.

Por isso, Mateus listou alguns pontos para ajudar a identificar a diferença.

  • “Um dos primeiros pontos é o farelo. As borrachas naturais possuem um farelo mais fino que as borrachas sintéticas. Algumas borrachas sintéticas chegam a formar rolinhos de farelo ao apagar.
  • Outro ponto é a textura e a superfície da borracha de apagar. As borrachas naturais, em sua maioria, possuem um farelo bem fino em sua superfície. Esse farelo não interfere em nada no uso da borracha e, para muitos, dá um toque de suavidade. Por sua vez, as borrachas sintéticas possuem uma superfície lisa e sem farelo, antes de serem utilizadas.
  • Quanto ao apagar, ambas apagam bem, e a preferência por uma ou outra se dá pelo gosto do usuário, cores, modelos, experiências vividas durante os anos escolares e até mesmo a forma de apagar de cada um.”

Agora a pergunta que você deve estar se fazendo é sobre o meio ambiente. Afinal, o que ele ganha com isso?

Benefícios para o Meio Ambiente

As borrachas de apagar naturais são feitas com o látex retirado da seringueira, como falamos. Mas neste processo, não é preciso derrubá-las.

Dessa forma, a árvore segue absorvendo o CO2 (gás que causa o efeito estufa) da atmosfera, durante todo o seu ciclo de vida.

Já as borrachas sintéticas são produzidas, em sua maioria, por polímeros obtidos a partir do petróleo, que é uma matéria-prima não renovável. Mas isso pode estar mudando, como comenta Mateus.

“Nos últimos anos, há diversos pesquisadores buscando desenvolver polímeros renováveis que substituam os derivados do petróleo. Os resultados dessas pesquisas podem contribuir para que um dia as borrachas de apagar sintéticas também sejam mais amigáveis ao planeta.”

Aqui na Mercur acreditamos no equilíbrio entre rentabilidade e legado social positivo.

Por isso, nosso trabalho é pensado e repensado constantemente com base em três frentes: reduzir impactos da atuação da empresa, melhorar seu perfil socioambiental de consumo e ampliar os benefícios dos nossos produtos e serviços.

Esta visão deu origem a práticas sustentáveis e inclusivas, que hoje fazem parte do dia a dia da Mercur.

Gostou desta publicação?
Compartilhe com seus amigos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine nossa
newsletter